DICAS PARA FREAR EM SEGURANÇA

DICAS PARA FREAR EM SEGURANÇA

Um dos momentos mais tensos para um motociclista – e que é um dos causadores de muitas dúvidas – é a frenagem. Em condições normais, o reflexo de um piloto é de 75 centésimos de segundo entre a identificação de um obstáculo e o ato de frear (acredite, isso pode ser muito tempo!), por isso, é necessário conhecer bem a capacidade de frenagem da sua moto, além de sempre verificar o estado dos seus pneus.

Para te ajudar, separamos algumas dicas rápidas que irão lhe ajudar a ter mais segurança na hora de frear:

1- O primeiro passo é observar os obstáculos à sua frente e desacelerar, acionando a embreagem, o freio traseiro e ir dosando a força dos dedos no manete do freio dianteiro. Faça isso com dois dedos para você ter mais controle, e de forma progressiva, mantendo o punho baixo para facilitar a volta do acelerador.

2- Se não der tempo de desacelerar, é preciso frear bruscamente. Ao contrário do que muita gente pensa, isso não faz capotar a moto. O que pode acontecer é a roda dianteira travar e o piloto começar a derrapar. Nesse caso, procure soltar os freios suavemente.

3- Nas curvas, procure usar os dois freios ao mesmo tempo e aumente a força de frenagem suavemente, assim a roda dianteira não irá derrapar. Diminua a velocidade também com o freio motor!

O mais importante de tudo isso é conhecer bem sua motocicleta e respeitar seus limites.

DICAS PARA ECONOMIZAR O CONSUMO DE COMBUSTÍVEL

DICAS PARA ECONOMIZAR O CONSUMO DE COMBUSTÍVEL

Em uma época onde o preço do combustível sobe a cada semana, para não dizer a cada par de dias, entender o porquê da variação do consumo não só ajuda a economizar nas finanças, mas também pode significar felicidade de não ficar parado no meio do caminho, vítima de pane seca.

Não há nenhum mistério sobre o fator que mais incide na autonomia de qualquer veículo: o uso exagerado do acelerador. Mas existem outras coisas que podem ocasionar o excesso de consumo. Abaixo, listamos cinco exemplos de inimigos dos muitos quilômetros rodados com um litro.

  1. Pneus descalibrados: além de causarem o aumento de consumo – um pneu mais vazio do que o recomendado exige mais energia do motor – descuidar da pressão altera a dirigibilidade e coloca em risco a segurança.
  2. Rotações altas: sua moto pode até ter um ronco maravilhoso, mas o hábito de levar as rotações às alturas sempre sai caro. Acelerar parado ou retardar troca de marcha sem necessidade, fazendo o motor girar em alta rotação inutilmente, pode alegrar seu ouvido, mas certamente maltratará seu bolso.
  3. Falta de lubrificação: a maior parte das motocicletas usa sistema de transmissão final por corrente. Lubrificá-lo com frequência não só aumenta a vida útil da corrente, coroa e pinhão, como exige menor energia do motor para movimentar a roda traseira, resultando obviamente em economia de combustível.
  4. Carga: levar peso inútil nunca é uma boa ideia. Os práticos baús, assim como os compartimentos de carga que existem em algumas motos e scooters, não devem ser usados como depósito de tralhas. Limite o peso ao mínimo indispensável e, caso o baú seja facilmente removível (e você tenha algum lugar seguro para deixá-lo), lembre-se que ele próprio, mesmo vazio, pesa bastante – além de prejudicar a aerodinâmica da moto -, o que também eleva o consumo de combustível.
  5. Troca de marchas: não basta apenas evitar “esticar” as marchas. É necessário também aprender qual o momento certo para passá-las, conciliando a menor abertura possível do acelerador com a rotação adequada à velocidade desejada. O motor não pode sofrer, coisa que ocorre quando exageramos usando marchas altas em baixas rotações (sinais característicos são os trancos na transmissão). Use sua sensibilidade para “sentir” qual a marcha certa – e a rotação mínima – para cada situação.

 

Sempre é possível melhorar

Mesmo sendo a maioria das motocicletas reconhecidamente veículos econômicos, é sempre possível melhorar seu rendimento quilométrico obtido com cada litro de combustível.

Muitas motocicletas atualmente são equipadas com computadores de bordo que permitem uma rápida conferência do consumo, seja ele o médio (a partir da última vez que o equipamento foi zerado) ou o instantâneo.

Nas motos que não são dotadas de tal equipamento, vale fazer o velho e bom procedimento: registrar a quilometragem (ou zerar o hodômetro parcial, quando houver), encher o tanque e, na ocasião do abastecimento sucessivo, calcular o número de quilômetros rodados indicados no hodômetro pelos litros registrados pela bomba.

Fazer isso com frequência ajuda não só a ter uma melhor noção de como diferentes tipos de trajeto ou modos de pilotagem interferem no consumo, mas também contribuem para o bolso e o meio-ambiente. Quer motivos melhores que esses?

PROPÓSITO E POSIÇÃO DE PILOTAGEM: O QUE VOCÊ DEVE SABER PARA ESCOLHER A SUA MOTO

PROPÓSITO E POSIÇÃO DE PILOTAGEM: O QUE VOCÊ DEVE SABER PARA ESCOLHER A SUA MOTO

Para pilotar bem uma motocicleta é necessário ter alguma destreza, experiência e – muito importante – sentir-se à vontade. Este último ingrediente é muito subjetivo, mas sofre uma interferência tremenda de um aspecto definido desde a prancheta, quando o projetista traça as primeiras linhas da motocicleta que nascerá: a posição de pilotagem.

Escarrapachado como nas motos estilo custom, com os pés lá na frente e as mãos segurando um largo guidão ou encarapitado na superesportiva, peito colado no tanque e nariz enfiado no farol? Pouco importa. Seja qual for o estilo de moto de sua preferência, você só vai pilotar bem se estiver se sentindo bem ao guidão.

Os diversos tipos de motos que existem atualmente seguem receitas que são definidas de acordo com sua utilização prioritária.

Sofrendo nas esportivas
Pilotar um desses “mísseis” significa sempre estar “no fio da navalha”, e o diligente grupo de engenheiros que empenhou todo seu conhecimento técnico ao projetar este tipo de moto visou atender ao usuário que quer rodar a 200 km/h, mergulhando nas curvas ralando o joelho no chão.

‘Sofá-moto’
Já o extremo oposto são as motos comparáveis a um piano de cauda, tanto pelo tamanho quanto pela finalidade, pois com ela você será um maestro das estradas.

Estes modelos foram feitos para curtir tranquilamente a paisagem, ouvindo o pulsar motor e fazendo sua companhia desfrutar de uma verdadeira poltrona.

Guidão alto

Nas motos trail o banco alto é avançado e faz o guidão largo ficar bem próximo de seu peito, alto também. A razão disso? Facilitar a pilotagem em terrenos difíceis, oferecendo melhor controle.

Meio-termo
Já nas motos sem carenagem, conhecidas como naked, assim como nas mais simples e populares utilitárias do país, o posicionamento é meio termo: nem “tanto ao mar”, como em uma superesportiva, nem “tanto à terra” e tampouco “espetado” no alto de um pico como nas trail.

O posicionamento nestas naked é mediano, para uma pilotagem que privilegia a tocada urbana, cenário de uso da maioria das motos no Brasil.

MANDAMENTOS DA PILOTAGEM NA TERRA

MANDAMENTOS DA PILOTAGEM NA TERRA

Quem não gosta de uma aventura na terra? Apesar de todo o motociclista gostar de algo radical, é sempre bom estar ciente dos perigos da estrada. A lama e o barro podem ser traiçoeiros algumas vezes! Fique atento em algumas dicas que separamos para você:

Cuidados antes de pilotar
Fazer um check up é mais do que necessário antes de partir, sua moto será submetida a impactos, solos ruins, obstáculo, chuva e terreno lamacento, cuidado com imprevistos!

Pneus na lama
A melhor opção para terrenos com lama é diminuir a calibragem dos pneus, mantendo a moto mais equilibrada e com maior tração nas rodas.

Pilotando sobre pedras
Subir e descer pedras exige mais força nos pés do que aceleração e embreagem, mas o piloto precisa levar em conta que o piso pode estar escorregadio. Vá sempre devagar, de preferência com um pé próximo ao chão, assim a motocicleta não arranca ou embala muito forte.

Se o inevitável acontecer…
A maneira mais eficiente de erguer a moto é mais simples do que se imagina. O certo é levantar pelo guidão mesmo, fazendo uma alavanca com o corpo para ficar mais leve.

Curvas
Solos barrosos e com pedregulhos ou com muita lama, a situação é diferente, devemos evitar freadas bruscas com freio dianteiro pois isso impedirá a perda de aderência do solo.

Atenção aos freios

A diminuição da aderência fará com que o motociclista use menos os freios dianteiros, e mais os traseiros. Fique atento a esse novo quadro e não acelere muito até pegar o jeito.

Pratique a pilotagem em pé

Pilotar em pé é uma prática específica para terrenos arenosos. A ideia é sofrer menos impacto durante desníveis como buracos e outras irregularidades, além de eliminar os solavancos nas costas.

Vista equipamentos específicos para off-road

Joelheira articulada, bota com bico de ferro, óculos e protetor cervical são alguns dos equipamentos recomendados para o off-road. O modelo do capacete também deve ser específico para a prática.

Fique sempre ligado na estrada para uma aventura segura, essas dicas podem te dar uma ajudinha na hora do perigo.

DICAS PARA EVITAR A AQUAPLANAGEM

DICAS PARA EVITAR A AQUAPLANAGEM

Sabe quando a motocicleta passa por cima de uma poça de água e, por alguns segundos, ela parece deslizar, sem que você consiga controlá-la? Esta perigosa experiência se chama aquaplanagem: é o momento em que a água se interpõe entre o asfalto e o pneu, fazendo com que seu veículo perca o contato com o solo.

Quando a motocicleta passa sobre a superfície molhada, forma-se uma espécie de onda à frente dos pneus. A banda de rodagem rompe essa onda, por sua compressão. O problema se dá quando a pressão do pneu é inferior à da água: sem conseguir empurrá-la, ele perde o contato com o solo.

Mas existem maneiras de evitar a aquaplanagem. Veja abaixo algumas dicas que irão te ajudar:

  1. Sempre confira a pressão dos pneus

Se os pneus estiverem 30% abaixo do recomendado pelo fabricante, a probabilidade de sofrer aquaplanagem aumenta significativamente.

2. Nunca ande com pneus gastos

Sem a profundidade do desenho de escultura, o pneu perde a capacidade de drenagem da água.

  1. Diminua a velocidade antes da poça

Quanto maior a velocidade do veículo e mais profunda for a poça de água, maior a probabilidade de ocorrer aquaplanagem. Portanto a dica é pegar mais leve no acelerador, principalmente antes de entrar nas áreas com acúmulo de água.

 4. Não acione o freio

Caso passe por cima da poça de água e sinta sua motocicleta perdendo o atrito com o chão, evite frear. Procure manter a calma e segure a direção com força, mantendo o controle sobre o veículo e deixando a motocicleta equilibrada.

PASSAR OU NÃO PASSAR PELO CORREDOR? EIS A QUESTÃO!

PASSAR OU NÃO PASSAR PELO CORREDOR? EIS A QUESTÃO!

just-rider-instagranSe a sua rotina é enfrentar o trânsito de moto, você já utilizou ou pensou em utilizar os corredores entre outros veículos, principalmente em congestionamentos. Apesar de ser uma prática comum e permitida por lei no Brasil, ela exige responsabilidade e cuidado do motociclista.

Para pilotar pelos corredores, é preciso ter muita certeza do que se está fazendo. Geralmente, os corredores são utilizados por várias motos e, por isso, a preocupação não deve ser apenas com os carros ao redor, um momento de hesitação é o suficiente para atrapalhar o fluxo ou atingir outro veículo.

Um dos aspectos mais importantes a se levar em conta é velocidade dentro do corredor. Como se trata de um espaço mais restrito e com veículos bem próximos da moto, é preciso manter uma velocidade abaixo da permitida e estar atento para a necessidade de frear a qualquer momento. Pedestres, carros em movimento, outras motos, buracos na pista, são muitas as coisas que podem atravessar seu caminho.

Ser visto também é fundamental. Se for necessário avise os motoristas da sua passagem utilizando os faróis e/ou a buzina. O que não vale é esperar que eles pensem a mesma coisa que você, no mesmo momento, e confiar na intuição.

Nunca se esqueça: chegar à tempo ao seu destino é o ideal, mas você precisa colocar a segurança de todos os envolvidos em primeiro lugar.

Se quiser saber mais sobre o que diz o Código de Trânsito Brasileiro sobre a condução nos corredores e a opinião de especialistas e motociclistas, confira esta matéria feita pelo G1: https://goo.gl/Tziqha